Mostrando postagens com marcador academias. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador academias. Mostrar todas as postagens

sábado, 17 de fevereiro de 2018

Meditação para o 1° Domingo da Quaresma

Pe. João Mendes SJ

     O presente domingo tem intima ligação com o anterior. O escândalo da cruz também se aparenta com a tribulação das tentações. Porque não viveremos em paz? Porquê este sentimento de instabilidade angustiosa debaixo dos nossos passos? Porque não serão seguros os caminhos?
     Da mesma forma que temos de sofrer, também temos de ser tentados; porque os sofrimentos e tentações são provas e garantias da nossa verdade interior. Somos sinceros para com Deus? Somos sinceros para conosco mesmos? No perigo se verá. Trata-se pois, duma simples prova, exame que pode e há de servir ao nosso triunfo na glória: " porque eras aceite a Deus, foi necessário que a tentação te provasse." ( Tob 12,18)
     É que, perante a facilidade com que nos iludimos e nos debilitamos, as tentações: ensinam-nos e fortalecem-nos.

1. ENSINAM

     1. Porque a paz ilude-nos sobre o que somos. Quando, na prosperidade tudo corre à medida dos nossos desejos, é tão difícil julgarmo-nos fortes, e atribuir-nos o bom êxito da nossa vida!... Daí que confiemos em nós mesmos, e que entremos a viver com a sensação habitual de segurança e estabilidade que supõem, por outro lado, esquecimento de Deus e da necessidade absoluta que temos d'Ele.
     
Vem a tentação a sacudir-nos a tranquilidade; declara-se uma crise em que tremem os arrimos que escoravam a nossa pretendida suficiência. E eis-nos desamparados, vogando ao acaso, com a revelação patente de todas as infâmias de que somos capazes, com as vertigens de todos os abismos. Aí está o que somos.
     2.A provação esclarece. É neste momento que a tentação nos ensina a orar e a apreciar a graça. Sentindo a nossa debilidade e atração do mal, espontaneamente olharemos para o céu e para Deus, como a criança que a mãe afastou um pouco, para a obrigar a caminhar para si. Saímos da terra firme e da segurança; fomos ao mar, colheu-nos a tempestade. E ao sentir-nos na solidão e na instabilidade das ondas, aprendemos a orar. E fizemos, a grande descoberta de que é pela graça que somos alguma coisa. O resto, ou é temperamento bem inclinado, ou clima moral de circunstâncias favoráveis.

2. FORTALECEM

     1. Porque a paz enfraquece-mos. O costume envilece. A prosperidade sempre bem sucedida, leva, insensivelmente, à rotina, à virtude sem convicção, à indolência moral. E como se insinuam, sutilmente, as impurezas do amor próprio nessa dormência da vontade que depôs as armas!... Como amortece aquela vigilância matutina, e aquele entusiasmo juvenil do querer, que fazem a autenticidade da virtude!...
     Mas lá vem a tentação, colocando o oiro no cadinho, e fazendo cair as escórias de todas as pequenas e grandes sensualidades! O mar agita-se, e as impurezas que por lá andavam, são lançadas à praia, e joeiradas no vai e vem das ondas. Quantas fibras do coração se doem, quando a vida nos sacode, quantos apegos secretos, vindos a lume, revelados nas crises que nos agitam, e obrigam as pequeninas feras a sair do esconderijo!...
     2. A provação enrijece. E então, somos obrigados a combater. Precisamos de fazer apelo a todos os recursos da alma e da graça. Temos de nos levantar a indolência a que nos habituáramos, de entrar na vida dura, que enrijece a vontade. A tempestade, ao passar, fez que a árvore se apegasse mais ao chão, deitando as raízes mais fundo. Formam-se, assim, hábitos de virtude, que são muito diferentes do descanso e da rotina. O hábito não é repouso, é força. Como, antigamente, as cartas de nobreza eram concedidas depois de grandes feitos militares, assim, nas tentações é que se alcançam os hábitos de virtude, que são a aristocracia da vontade, como lhes chamou profundamente um autor católico. As convicções tornam-se muito mais íntimas, porque se arraigam na vida difícil, porque as temos de defender e manter à custa de sangue.

CONCLUSÕES

     1. A tentação é a mortificação que Deus nos manda. Considerávamos, no domingo passado, que tinhamos de tirar prova, pela cruz, da nossa sinceridade moral. E que essa prova era a mortificação, garantia da pureza com que usamos das criaturas e servimos a Deus. Mas o Senhor, por seu lado, manda-nos também outras provas, consentindo que sejamos tentados para mostrarmos o que somos. A tentação é pois, a mortificação que Deus nos manda, como a mortificação é a tentação com que nós examinamos a nós mesmos.
     2. A tentação não são as ocasiões que nós buscamos. O que é preciso é que sejam provas que Deus nos manda, e não ocasiões de pecado, em que nos arriscamos. Porque, essas, já revelam apego à culpa, e supõem, por isso mesmo, que não estamos dispostos a usar das graças que Deus nos concede. Quem vai, indiscriminadamente, a teatros, cinemas e bailes, quem olha para tudo o que é prestígio do mal - como há de manter-se na tentação, se já vai vencido? Como há de resistir à vertigem o que a procura? 


sábado, 10 de fevereiro de 2018

Meditação Para do Domingo da Quinquagésima

Pe João Mendes SJ

     O Evangelho de hoje compreende duas partes que se relacionam, pelo menos simbolicamente: o anúncio da Paixão e a cura do cego. Os Apóstolos não compreenderam; escandalizaram-se com a cruz, foram os primeiros a manifestar aquela cegueira, que é afinal de todos nós, diante da necessidade de sofrer.
     Para ser cristão, é preciso abraçar a dor, ter a coragem de a aceitar no centro mesmo da vida. É esse o caminho para a felicidade autêntica; mas é esse anseio de felicidade que, em nós, se recusa a consentir. Daí, a grande dificuldade, e o círculo fechado em que o homem se debate: a cruz atrai e repele. Atrai, enquanto é custoso aceitar o sofrimento, como o caminho da alegria.
    Peçamos pois, a Cristo que nos ensine a sair desta contradição, abrindo os olhos de nossa cegueira, com um milagre tão grande como o que curou o cego.

1. EM QUE CONSISTE O ESCÂNDALO DA CRUZ

      1.As demasias da renúncia. A cruz, e as repugnâncias que ela levanta em nós, não são. somente, a mortificação do que é imperfeito e pecaminoso. O que já não era pouco, e que seria exigência de uma perfeição laica, teoricamente possível, num pagão. É também, a morte de muito do que é legitimo e bom. Consiste em sofrer mais do que seria preciso para praticar o bem e evitar o mal; o que, aplicado a Cristo, em que ele podia remir o mundo de modo menos cruento. É esse, no fundo, o escândalo dos Apóstolos, perante os sofrimentos do seu Mestre, e é o escândalo dos ímpios perante a dor dos inocentes e a penitência dos justos; - que sofram os pecadores, bem está; mas porque há de sofrer a inocência? porque se há de sofrer em vão?

     2. Necessidade da renúncia.  Temos de aceitar a humildade da nossa natureza, que precisa da flagelação do sofrimento para se purificar. Só é perfeito o que sofre. É certo que nem todo o que padece é puro; mas todo o que é bom teve de sofrer. Eis o escândalo: porque há de andar o bem crucificado?.
    É que o dom da integridade não foi restituído em toda a sua perfeição. Quer dizer: o domínio da alma sobre o corpo, ainda mesmo com o auxílio da graça, não é absoluto. De tal modo que, só com uma ajuda especialíssima, se poderiam evitar as pequenas venialidades. Facilmente se intrometem impurezas, na visão e no uso que temos das coisas. Por isso, para assegurar a pureza das intenções, temos que renunciar a muito do que é legítimo. É toda a tradição da santidade da Igreja, pois em todos os Santos, há sempre alguma coisa de excessivo e de loucura, no rigor com que se mortificam. A mortificação é a prova real da virtude autêntica; e os homens de Deus tem todo o empenho em se assegurarem dela.

2. REPARAÇÃO DO ESCÂNDALO

     1. A Vida Divina. Com o sofrimento, não se perde nada, pelo contrário. Ser cristão é receber uma vida divina em troca da humana, a vida eterna em troca da temporal. É essa a troca, realizada na cruz, que está no começo e à raiz da nossa vida. Quando fomos batizados, perguntou-nos o sacerdote, à porta da Igreja: << E a fé para que te serve? - Dá-me a vida eterna >>, respondemos nós. O cristianismo não pode, pois, deixar de ser uma vontade de eternidade. Pois se o cristão é o mercador que vendeu tudo para comprar a pedra preciosa, como não há de andar absorvido com a sorte ultra-terrena do seu jogo arriscado? E quem o poderá levar ao mal? que fazem os homens que sacrificam a vida pela honra? e pelo amor? e pela vaidade de agradar à galeria?
     2. A vida humana. Mas já nesta vida, e no plano meramente natural, e apesar da renúncia, o mercador da pérola começa a ganhar. Porque o Cristianismo e já uma penetração da eternidade no tempo; e a vida eterna de Deus, mesmo na sombra da fé, já concede ao homem o esboço dos dotes do corpo glorioso. A cruz, abraçada com decisão, resolve muitas das mais difíceis antinomias que preocupam os homens - é ver os Santos! Dá-lhes a alegria na dor, a liberdade na submissão, a segurança no abandono, a riqueza no despojamento, a grandeza na humildade, a autonomia no amor. Tudo isto são extremos, igualmente apetecíveis, que os homens procuram, inclinando-se , ora para um lado ora para o outro, e caindo em todos os excessos. Só a cruz de Cristo concilia as oposições, e harmoniza o irreconciliável.

CONCLUSÕES

     1.Cristo crucificado. Depois que Deus foi pregado numa cruz, e assumiu a dor humana, para transfigurar, já o escândalo do sofrimento da inocência se desvanece. Tudo ganha sentido, tudo se torna solidário. Os que tem culpas e impurezas, sofrem para as reparar e purificar; os que as não tenham, mesmo as crianças, sofrem para reparar as dos outros. Mas já não há sofrimento em vão. Porque toda a dor se pode unir à de Cristo Crucificado, e formar, com ela, a grande obra de solidariedade humana, que é a Redenção da Culpa.
     2. O Cristianismo é, assim, um novo sistema de valores. O cristão, que aceita a realidade da Culpa e da sua redenção pela cruz, aparece no mundo como um louco que construísse o universo à sua maneira. Não concorda com os outros homens, é um estranho que aprecia o que os outros desprezam, e despreza os que os outros apreciam. Troca os bens palpáveis pelos impalpáveis, este mundo pelo outro mundo. Mas só a luz da Fé, penetrada de Caridade, fará que a cruz se nos torne amável e o seu mistério conatural. A grande cegueira, a que nos esconde o mundo sobrenatural, vem das repugnâncias que em nós levanta o dever da renûncia.

sábado, 3 de fevereiro de 2018

Meditação para o Domingo da Sexagésima

Pe João Mendes SJ

     A Palavra de Deus é semente. Como preparação para a pregação da palavra divina, durante o tempo da quaresma, a Igreja lembra-nos esta parábola, que é das mais belas que Jesus pronunciou.
     S. Paulo dirá mais tarde: " Vós sois agricultura de Deus " ( I Cor 3,9) ; porque, de fato, é do céu que vem a semente, e nós somos cultivados por Deus, como a terra é pelo lavrador. Mas o Senhor que a nossa colaboração, quer que o campo reaja com a influência do alto, e faça crescer a "semente de Deus".

1. A PALAVRA DE DEUS É SEMENTE

     1. Semente é um germe de vida. que se lança à terra para produzir frutos semelhantes a essa mesma semente. Assim, do grão de trigo que se lança no sulco das lavras, germinará uma espiga, com grãos de trigo iguais ao primeiro.
     Deus lançou à terra a sua semente que foi o Verbo Encarnado, princípio de vida e Verdade divina para o homem. Ele é o grande princípio, a grande revelação, que transformará as inteligências e dará alentos novos à vontade; e que, na intenção divina, deverá fazer germinar, entre os filhos de Adão, a multidão inumerável dos filhos de Deus, semelhantes a Cristo, seu unigênito por natureza.
     2. A semente de Deus mostrou-se fecundíssima.  Porque transformou as inteligências dos homens do mundo antigo pagão; a visão nova do universo, que o Messias ensinou, no Sermão da Montanha, mudou o apreço das coisas, trocando os princípios de valor. É ver, logo nos primeiros tempos da Igreja; que diferença entre o critério de um sábio grego ou romano, e o dum asceta cristão! E não só transformou as inteligências dos homens e a sua visão do mundo, mas fecundou-lhes as vontades, levando-as  a abraçar as consequências dessa nova luz, dando-lhes força e coragem, com os exemplos e os auxílios do Verbo Encarnado, Mártires, Virgens, Anacoretas, Confessores, Religiosos - semelhantes a Cristo, seara divina nascida da palavra de Deus...- toda a vida de perfeição da Igreja é o fruto desta semente fecundíssima, é a família divina gerada por esta semente de Deus, tudo imagens parciais do Verbo Encarnado, formando um Cristo Total.

2. QUE SUPÕE O TERRENO PREPARADO

     1. Atenção intelectual.  A semente, por si só, não germina, precisa do húmus do terreno onde cai. A agricultura de Deus é como a agricultura dos homens. Por isso, a Semente caída a beira da estrada, ou entre os espinhos, é a Palavra de Deus que não chega a ser ouvida, porque a alma é aberta e dissipada como terreno onde passa toda a gente, ou distraída pelas preocupações deste mundo que sufocam os rebentos do fervor. É preciso atender, pensar, alguma vez, em ouvir a Palavra de Deus, a única que é indispensável ouvir. Sabem-se e estudam-se tantas ninharias... Quando se resolverá o nosso espírito a fugir ao mundo da bagatela?

     2. Colaboração da vontade. intimamente ligada ao que precede, pois, quando a inteligência se aplicar, é porque já a vontade se moveu. Mas a colaboração do nosso querer é, sobretudo, em profundidade: é aquele humor que alimenta as raízes, e que não se encontra nas pedras; é aquela ternura escondida onde pegam bem as insinuações de Deus. Corações duros, impenetráveis ao passo invisível do Amor incriado, nesses, não há semente divina que vingue. A revelação do verbo pega, em nós, nas pequenas e múltiplas radículas afetivas de aceitação e oferta, que prendam, ao nosso coração, o convite do Bem. E nisto que consiste o ser " ex Deo" , da linhagem de Deus.

CONCLUSÕES

     1. Boa vontade. Tenhamos, pois, docilidade, que consiste no desejo de ser ensinado, e na preparação espiritual para o ser - e é esta a docilidade intelectual; e em ter um coração inclinado à luz, de sulcos abertos e revolvidos pela dor, dispostos a aceitar a recolher a palavra verdadeira - e é esta a docilidade da vontade. Que o Senhor nos transforme as entranhas, dando-nos um coração de carne, em vez do coração de pedra da nossa insensibilidade.
     2. Reflexão. O mundo vive na inconsciência e na irreflexão. A demanda da vida divina é, portanto, um ato de atenção que vence o prestígio da bagatela, e se dispõe a ouvir a palavra de Deus. Ser Cristão é interiorizar-se, fugir das aparências materiais, demandando o Deus desconhecido, que atua no silêncio, como as sementes, e na tranquilidade como o fermento.


sábado, 27 de janeiro de 2018

Meditação para o Domingo da Septuagésima

Pe João Mendes SJ

     Parábola dos operários da Vinha. Oferece-nos um sentido histórico, aplicável aos Judeus, e outro universal, relativo aos homens de todos os tempos. O significado da Alegoria, no seu aspecto aparentemente desconcertante, fala-nos duma justiça divina que não se ajusta aos moldes humanos, já que os supera infinitamente.
     Em rigor, ninguém tem direitos diante de Deus; e o Senhor é soberanamente livre na sua ação. De modo particular; a justiça de Deus está acima da justiça dos homens, e temos de aceitar-lhe o mistério.

1- O QUE FAZ O MÉRITO NÃO É O MUITO TEMPO OU ESTADO DE PERFEIÇÃO

     1. Aplicação aos Judeus. O povo escolhido foi chamado, logo na primeira hora, para trabalhar na vinha de Deus. Com ele estabeleceu Jeová a sua aliança, para ele era, antes de todos, o Messias. Só muito mais tarde, foram chamados os gentios, e com os mesmos privilégios dos eleitos da primeira hora. Daí, o escândalo judaico do espírito de casta, que se supunha com direitos diante de Deus, e que pensava em injustiça quando se via igualado com gentes impuras.

     Cristo mostra-lhes, agora, que o Senhor é livre na disposição de seus dons, que não se prende em contatos pequenos, e que sua justiça é mais ampla que os cálculos acanhados dos homens. Diante de Deus, " não há Judeu nem gentio"' - dirá depois S. Paulo ( Col 3,11)
     2. Aplicação a todos os homens. O que faz o mérito não é muito o tempo, nem certa fidelidade, longo tempo mantida. Na velhice ou no último momento, qualquer pecador, como o Bom Ladrão, ou aquele condenado por quem orou Santa Teresinha, pode ouvir o convite de acesso a eternidade. Esta é, substancialmente, a mesma para todos; é uma só a mesa do banquete, porque a glória é a visão da mesma Infinita Perfeição.
     E quanto à capacidade subjetiva de o gozar, quem sabe as surpresas que nos esperam? O poeta Rimboud levou uma bem triste vida de pecado; mas o sacerdote que o confessou, à hora da morte, declarou ter encontrado, poucas vezes, fé tão pura. Não admira, pois, que o Pai do Pródigo faça grande festa, quando chega o filho pecador! O mais velho, o da longa fidelidade, é que não devia estranhá-lo. Quem sabe em qual dos corações havia mais amor?

2. ...E QUEM RETRIBUI É UMA JUSTIÇA QUE SE CONFUNDE COM O AMOR 

     1. A justiça dos homens é cega, para ser igual para todos, porque só premia segundo as aparências. Nunca poderá julgar o íntimo dos corações que lhe são inacessíveis. Para ser perfeita é cega - e nisso está a sua pobreza; tem medo do amor e das suas parcialidades, e por isso, aplica, rigidamente, os princípios da igualdade para todos. Por isso, as leis dos homens são inflexíveis, e escravas da letra, como escravas são também as aparências. E que será, quando não é a justiça, mas a má vontade, o despeito ou o ciúme, quem julga das ações alheias?  Cristo recomendou-nos tanto que não julgássemos... e que seríamos medidos pela medida que usássemos com os outros... É que é muito difícil julgar, com acerto, um coração.
     2. Mas a Justiça de Deus confunde-se com o puro amor. É, portanto uma justiça muito mais misteriosa, desconcertante e clarividente, nas suas decisões. Não admira que a ação da Providência seja tão inacessível, e que brinque com as aparências e os alvedrios. Assim como as mães sabem ver, como ninguém, os méritos dos filhos, assim Deus vê muito melhor do que nós, e com uma clarividência perfeita, todos os desejos de bem que há, ocultos, no coração do maior dos desgraçados. Foi Cristo quem disse aos príncipes dos Sacerdotes e anciãos do povo : " Publicanos e meretrizes entrarão primeiro que vós, no Reino de Deus ..." ( Mt 21,3)
     O mistério da nossa liberdade só é compreensível por Deus, porque essa liberdade é um mistério no homem. E Deus desvenda esse segredo, precisamente, porque sua justiça é iluminada pelo amor. A justiça dos homens é cega, para que o amor não a corrompa; mas a de Deus, pelo contrário, é clarividente, porque olha com os olhos do amor, - e nisso está a sua excelência infinita. Quando, também nós, tivermos de julgar as vidas dos nossos irmãos, amemos o mais que pudermos, os nossos réus, porque, só assim, nos assemelhamos à justiça divina.

CONCLUSÕES

     1. Evitar o desânimo. Mudar na velhice? impossível. Tudo perdido, - Não. Nunca é tarde na vida para nos voltarmos para Deus. Porque só um ato, o da undécima hora, pode resgatar todo o passado, e merecer o mesmo prêmio que os que trabalham o dia inteiro. Sendo a justiça de Deus tão ampla e amorosa, sempre nos ficam motivos de esperança.
     2. Evitar o desleixo. Do fato de os últimos poderem redimir o atraso, com pouco tempo de trabalho, não se segue que quem trabalhar bem todo o dia não tenha mais mérito. Se o vinhateiro sai a contratar operários, logo de manhã, sinal é de que lhe agrada a diligência e se  bom trabalho da undécima hora é tão premiado, isso nos mostra que o bom trabalho das outras o será também. E sendo a justiça de Deus tão misteriosa, por se confundir com o amor, nem por isso a devemos tomar como indulgência transigente; mas temamos sempre, porque essa aliança misteriosa tanto joga a nosso favor como contra nós.

sábado, 20 de janeiro de 2018

Meditação Para o 3° Domingo Após a Epifania

Pe João Mendes SJ

     O  Evangelho relata a cura de dois doentes, dois milagres alcançados pela Fé, mas por uma fé mais profunda e viva, no segundo que no primeiro caso. O leproso aproxima-se de Jesus e expõe~lhe o seu mal, como uma oração tão simples como eficaz. O Senhor toca-o, e ele fica limpo de toda a lepra.
     Depois vem o centurião, e sem exigir a presença de Jesus, apela somente para o seu poder. E o Senhor realiza o milagre a distância. É que é sobretudo pela fé que Deus se nos torna presente, e que nós recebemos a eficácia do poder divino.

1. A FÉ TORNA-NOS RECEPTIVOS DO PODER DIVINO

     O milagre por contato. O leproso, o intocável, aquele de quem todos fugiam, pode, enfim, prostrar-se diante do homem que é Deus. Este, ao menos, não o teme nem lhe terá horror. Talvez o pobre gafo sentisse demasiada sofreguidão, e era bem natural, da presença física do Taumaturgo, e não discriminasse bem o objeto da sua confiança. Mas cria: "Senhor, se Vós quiserdes, podeis curar-me!". Ainda que a humanidade do Redentor seja instrumento da Divindade, contudo, para esta, formalmente, é que deve ir a nossa crença. A fé diz respeito ao Deus que se esconde e se revela no homem.
     Necessidade da fé. A presença de Cristo ser-nos-ia inútil se não acreditássemos na sua divindade. " Se crês...", " A tua fé te salvou...". E foi também a fé do leproso que o salvou: " Se quiserdes, podeis curar-me. - Quero. Sê Curado!". Muitos viram e ouviram a Cristo, muitos lhe tocaram e foram d'Ele tocados, e ficaram como antes. "Mestre, toda esta gente te aperta e importuna, como dizes que alguém te tocou?". É que entre tantos, era a hemorroíssa quem tinha a fé verdadeira; só essa foi receptiva da ação divina. Em Nazaré, Cristo não praticou milagres. Porque não pudesse? Não, mas porque os seus conterrâneos o tomavam simplesmente como um dos seus, " O Filho do carpinteiro", e não criam no Deus o culto. É como na Eucaristia: o pagão que comungasse, só receberia o alimento material dum corpo humano sacrificado. Assim no convívio de Cristo: se não tivermos fé, Ele será para nós como um homem qualquer.

2. PORQUE É O PRIMEIRO CONTATO COM O MUNDO SOBRENATURAL

     O milagre à distância. O Centurião não requer a presença física de Jesus: "Dizei uma só palavra, e o meu servo será curado". Como se dissesse: há outro modo mais íntimo de Deus aproximar-se dos homens e os homens d'Ele. E Nosso Senhor elogia, entusiasticamente aquela fé que não tinha igual em Israel. E a Igreja tornou as palavras daquele que, ainda há pouco, era simples pagão, para as aplicar ao "misterium fidei" por excelência.
     Contato com Deus pela fé. Não é preciso a presença física de Cristo, porque a crença sobrenatural é já o nosso primeiro contato com o mundo de Deus. A luz da fé não é mais que a própria luz íntima do Senhor, a luz inacessível que ele habita, enquanto comunicada ao homem; é conhecermos, quanto nos é dado agora, os arcanos de Deus, a sua Trindade de Pessoas, mediante a revelação do Verbo Encarnado. Quando, para além do que vêem os olhos e do que vê a razão, a nossa alma adere à realidades sobrenaturais, saimos do mundo das aparências, entramos no mundo de Deus, iluminados diretamente da sua luz, ainda na obscuridade do mundo dos sentidos, mundo dos enigmas e das sombras, mas vendo já, e possuindo, em princípio, a glória divina. " Esta é a vida eterna: que Te conheçam a Ti, único Deus verdadeiro, e aquele que nos enviaste, Cristo Jesus"
     É assim que as almas animadas de fé viva dir-se-ia tocarem no mundo sobrenatural, tê-lo presente, senti-lo e respirá-lo. Por isso, quanto mais fé mais união com Deus e mais caridade. O Centurião estava, talvez, muito mais próximo de Cristo do que o leproso ajoelhado diante d'Ele. O que nos torna presentes ao Salvador, e a Ele presente a nós, é a união que tivermos com Ele, pela Fé e pela Caridade.

CONCLUSÃO

     A presença de Cristo. Quantos de nós, alguma vez, não teremos sentido pena de não ter visto e tocado a Nosso Senhor Jesus Cristo, quando passou na Terra. Mas, pela fé, podemos corrigir o atraso do tempo e a distância do espaço, e sermos mais presentes ao Redentor do que os contemporâneos. Não é a presença corporal o que nos une com Ele e com a sua Divindade, mas o convívio sobrenatural da crença.
     E o Reino dos Céus ainda está suspenso sobre nós, atualmente. A mensagem e a vida de Cristo continuam à espera da nossa adesão, como se o Senhor nos perguntasse também a nós: " E  vós? quem dizeis que eu sou?" Trata-se de um toque assimilador, de fazer descer a vida de Deus. Esse vínculo misterioso, parentesco divino e nó de eternidade, é a Fé.


sábado, 13 de janeiro de 2018

Meditação para o 2° Domingo após a Epifania

Pe João Mendes SJ

         A presença de Cristo nas Bodas de Caná é comovedora de condescendência humana. Fala-nos a história de muitos casos de Príncipes e grandes que honraram com sua presença as bodas dos servos. Mas que venham Deus e sua Mãe a tomar parte nas alegrias festivas do amor humano ... louvada seja a sua bondade.
       Que íntimo sentimento de carinho fraterno, o do Coração de Jesus, trazendo a sua sagrada presença de Filho da Família Divina ao banquete da família humana. Porque terá ido o Verbo Encarnado ao humilde festim de um casamento?

1. A TRINDADE

      Eis o grande mistério: Deus é Família! Afirmação esta podia causar-nos estranheza. Então, a vida íntima e exclusiva de Deus é parecida com a nossa? Sim, é Verdade. Mas a pergunta admirada devia fazer-se em sentido inverso: como é que o Senhor consentiu que a nossa vida fosse parecida com a sua?
     Por Deus ser família é que nós, imagem sua, também somos. E Cristo vem de muito alto, de um abismo divino de pureza e de harmonia, para a pobre lareira esmorecida da nossa casa humana. Na Trindade, tudo é conhecimento, geração e amor, na Luz e na Santidade infinitas. Que vida de familia e que lar, onde Três pessoas distintas vivem da mesma natureza, infinitamente perfeita e infinitamente feliz! Que união, que intimidade, e que amor!..

2. EM NAZARÉ

     O Verbo Encarnado nasceu numa família. Quando a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade encarnou, podia ter aparecido entre nós, como homem adulto, sem as dependências, fraquezas e humilhações das crianças. Mas nasceu numa família, e a sua união com a natureza humana realizou-se num seio materno e num lar humano.
     Essa família, a Sagrada Família por antonomásia, como mais perfeita imagem da Trindade, foi uma família virginal, onde Cristo, virgem nasceu duma Virgem, desposada com esposo Virgem. Foi tudo espiritual e santo no nascimento do Verbo Encarnado.
     Mas apesar da santidade dos seus pais na terra, como eles eram, no entanto, pálida imagem da Vida Trinitária! Nosso Senhor Jesus Cristo é, assim, o traço de união entre a Família de Deus e a Família do homem.


3. EM CANÁ

     O Verbo Encarnado abençoa a família. A presença de Cristo, em Caná da Galiléia, mais que condescendência, é aprovação. O Verbo Encarnado vem honrar e dignificar a família humana. Vem trazer a Bênção de Deus ao que é sombra imperfeita dos esplendores da Trindade; vem purificar e sagrar um fogo doméstico, centelha do amor divino, que as paixões dos homens facilmente deixarão corromper e abafar nas cinzas do egoísmo.
     E levou o Senhor a sua simpatia compassiva a concorrer para a festa com o vinho miraculoso, símbolo da alegria sensível. Ele que gozava da alegria sem sombras, e do vinho, tão ovo e tão antigo, da Divindade felicíssima. Foi o Primeiro milagre do Messias. Como os seus olhos pousariam, com amor e indulgência, no júbilo dos dois esposos! Enquanto Deus, sabia muito bem o que era o amor e a família por essência; como homem, nascido entre homens, fazia que os sentimentos divinos, no seu coração de carne, se transformassem numa infinita condescendência.
     E desde então, desde que o Próprio Deus assistiu às Bodas do amor das suas criaturas, é que o casamento e a família se transfiguraram num mistério divino, e virão a ser um Sacramento ou fonte de graça.

CONCLUSÃO

     O Matrimônio é imagem da Trindade. O Verbo é a imagem perfeita do Pai; e do amor mútuo de ambos, procede o Espírito Santo, o Dom, o Amor personificado. Também na família humana, a esposa é o ideal, em que se revê o esposo; e do amor de ambos, tão alto que se desdobra m novos filhos de Deus, procede o dom supremo dos filhos, que são o amor personificado dos pais. Não há família perfeitamente constituída sem estes elementos.
     O Matrimônio é fonte de vida Trinitária. É que, a base da família, está a Nova Lei, um Sacramento. E o Sacramento é um sinal eficaz de graça, e a graça é uma comunicação de vida Divina. O matrimônio é , pois, coisa tão santa que espalha, na família, a mesma vida familiar de Deus, a sua vida Trinitária. E assim temos como lar cristão é já a imagem da Trindade, e mais que imagem, pequena célula divina da Jerusalém Celeste que é o corpo dos bem-aventurados. Como não há de a Igreja defender, ciosamente, a santidade e a indissolubilidade da família !!!


Sagrada Família de Nazaré guardai as nossas famílias !!!

segunda-feira, 13 de março de 2017

São José

Alisson Oliveira. cm

São Mateus o chama e define também: —O Justo. Joseph cum esset justas... José como era justo...
Não simplesmente a virtude cardeal da justiça porém muito mais amplo a virtude em grau sublime e
heroico jamais visto ou alcançado (depois de Maria Ssma) de se conformar a Lei de Deus.
“José é chamado de Justo porque tem a perfeição de todas as virtudes”
São Jerônimo, Homilia 3, in Luccam.
O MAIOR DOS SANTOS
Depois de Maria, José. É sem dúvida o maior dos santos, pois recebeu de Deus maiores graças e
desempenhou a maior e mais sublime missão na terra. Pai adotivo do Filho de Deus humanado e esposo
da Mãe de Deus. Poderia alguém na terra, depois de Maria excedê-lo na gloria da santidade? Quem
teve maior e mais sublime missão a cumprir na terra?
Sem dúvida, dos sete dons do Espirito Santo, os que São José mais deve ser exercitado, em razão
de sua função, foram o dom do conselho e o da fortaleza, para dirigir, governar e defender a Sagrada
Família entre tantas privações e adversidades, sem perder de vista um só momento o supremo sacrifício
da Cruz.

S. José excede a dignidade dos Apóstolos. Estes foram ministros e dispensadores dos mistérios de
Deus, vasos de eleição, colunas da fé, mensageiros da palavra divina. S. José foi maior que Moises em
santidade, a São João Batista, S. Pedro e S. Paulo, bem como também aos maiores mártires e doutores
da Igreja. Nenhum santo teve como Ele privilégios tão singulares e viveu mais unido a Deus e mais
abrasado na Divina Caridade. Pelas relações com Jesus e Maria Santíssima é o maior dos santos, e
precede a todos os eleitos no culto que lhe prestamos.
Pai adotivo de Jesus
A maior glória de São José, a mais rica pérola do seu coroa, o título e privilégio que o faz o maior
dos Santos é o de Pai do Filho de Deus humanado. Todos os Santos, se gloriam de serem chamados
servos de Deus, servos de Jesus Cristo. São José, e só ele, foi chamado Pai do Salvador, Pai de Jesus
Cristo. Entre os títulos de glória do Santo, este é sem dúvida o maior.
Os nazarenos, diz o Evangelista, tinha José por pai de Jesus. Assim dizia e julgava o povo
ignorante do adorável mistério da Encarnação do Verbo. Os Evangelistas, que narraram e conheceram
o mistério da Encarnação e a Divindade de Jesus, chamavam a José pai de Jesus. E Jesus mil vezes o
havia de chamar Pai, e a ele esteve sujeito e obediente trinta anos desde Belém.
São José, pois, é e deve ser chamado Pai de Jesus, Pai virginal, não Pai carnal, Pai putativo,
genealógico, jurídico ou legal, adotivo, eletivo, nutrício, virginal, afetivo e de ofício de Jesus Cristo e
segundo a geração humana, porque Maria Imaculada concebeu, e foi Mãe de Jesus por obra e graça do
Espírito Santo. Eis a sua glória: Pai de Jesus.
Qual graça extraordinária para o São José de ver, dar ordens e prover tudo daquilo que Nosso
Senhor necessitava... Ah que graça extraordinária, S. José de que como por um véu, não brilhar como
o Sol do meio dia na Terra, a exemplo de Moisés (Ex 34, 29-35) ao descer do monte com as tábuas da
Lei nas mãos, brilhava a sua face que os hebreus nem conseguiam olhar para ele.
O esposo virginal de Maria Santíssima
“ José, filho de Davi, não temas receber em tua casa Maria, tua esposa” Mt 1,20.
“José... fez como lhe tinha mandado o anjo do Senhor, e recebeu em sua casa Maria, sua
esposa” Mt 1,24.
Foi José verdadeiro e legítimo esposo de Maria, de um matrimônio, perfeitamente virginal,
maravilhosamente fiel, milagrosa e infinitamente fecundo.
E formou São José semelhante a Maria. José foi formado à semelhança da Virgem, sua esposa. O
céu, escolheu a São José como o único digno de um tal tesouro: —Maria.
Para ser esposo da Mãe de Deus, que pureza e que santidade não havia de ter São José! E se Deus
o escolheu entre os homens o mais semelhante à mais perfeita das criaturas, sua santíssima Esposa.
Para lembrar os dois títulos de maior glória que o tornam o maior e o mais singular dos Santos — Pai
adotivo de Jesus Cristo e Esposo de Maria Imaculada.
E aqui fica a resposta à pergunta: Quem é São José? Virum Mariae de quanatus est Jesus. — É o esposo
de Maria, diz o Evangelista, da qual nasceu Jesus.
São José, príncipe da casa real de Davi
São José era da nobre estirpe, como nos relata os Evangelhos de S. Mateus 1, 1-17 e S. Lucas 3, 23-28. “Genealogia de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão. Obed gerou Jessé. Jessé gerou o rei Davi. O rei Davi gerou Salomão, daquela que fora mulher de Urias. Salomão gerou Roboão. Roboão gerou Abias. Abias gerou Asa. Asa gerou Josafá. Josafá gerou Jorão... Eleazar gerou Matã. Matã gerou Jacó. Jacó gerou José, esposo de Maria, da qual nasceu Jesus, que é chamado Cristo. S. Mateus 1, 1-17


“ não era apropriado que o Rei dos reis convivesse, na sua intimidade, com quem não fosse nobre nem de espirito e de sangue. Não convinha que Aquele a Quem servem milhões de anjos escolhesse como pai adotivo alguém que não fosse de nobre linhagem, nem que a Virgem, escolhida como Mãe de Deus, á qual prestam homenagem todos os habitantes da Jerusalém terrestre, fosse casada com homem de origem plebeia”. Suma dos dons de São José.
Segundo São Mateus mostra as gerações de Davi até Cristo, mudando assim em S. José para indica-lo como pai adotivo e não carnal de Nosso Senhor.
Assim as promessas a dinastia de Davi, na qual S. José tem a glória de pertencer, a um título muito especial: foi o último e não menor e transmitiu a Nosso Senhor a herança davídica.
Prefiguração no Antigo Testamento
Uma das figuras mui própria, em que os Santos Padres reconhecem haver sido misteriosamente representado São José, foi o antigo Patriarca José, Vice-rei do Egito, porque nele se cumpriram todas as grandezas. Sonhara ele que o Sol, a Lua e as Estrelas o adoravam e foi nisto um retrato figurativo da obediência que Jesus e Maria, verdadeiro Sol e verdadeira Lua, havia de ter a São José, e o respeito que os mais santos, simbolizados nas estrelas, lhe tributam. Chamou-se também a José o salvador do mundo, porque proveu de mantimento e livrou da fome não só o Egito, mas toda a terra em torno; e tudo isto foi anuncio de que o glorioso São José na lei da graça havia de ser a quem todo o gênero humano devesse a salvação, pois salvou o Redentor, livrando-o da tirania de Herodes, que o queria matar, quando menino, e ele foi também o que guardou o pão da vida de Jesus Cristo, que é o sustento do universo.
“Ide a José” Gn 41,55.
A virgindade de São José
A virgindade perpétua é outra coroa de glória do santo Patriarca. A Escritura nada fala da virgindade de S. José, mas a Tradição nos guarda e garante esta opinião com segurança. A Tradição teológica, escreve o Pe. Cantera, reprova todos os erros contra esta doutrina e afirma unanemente a Virgindade de S. José, é uma verdade teologicamente, da qual não é lícito a nenhum cristão duvidar. É célebre a resposta de S. Jerônimo ao herege Helvídio: Dizes, que Maria não ficou Virgem. Pois não só defendo e afirmo a Virgindade de Maria, como digo ainda mais: por Maria foi Virgem também S. José(2). (1) Cantera - San José en el Plano Divino (2) Adv. Helv. n° 19.
Dia de São José
Por isso, hoje é dia de festa para a Fé. O culto a São José começou no Oriente, passando mais tarde para o Ocidente, onde hoje alcança grande popularidade.
Pio IX estendeu a festa do Patrocínio de São José a toda a Igreja com o decreto "inclytus Patriarcha Joseph", de 10 de setembro de 1847. Declarou solenemente o Bem-aventurado José “Patrono da Igreja Católica”, e ordenamos que a sua festa de 19 de março, dupla de primeira classe, todavia sem oitava por causa da Quaresma, fosse celebrada no mundo inteiro
São José e Santa Teresa de Ávila
“Tomei por advogado e senhor ao glorioso São José e encomendei-me muito a ele. Vi claro que, tanto desta necessidade como de outras maiores, de perder a honra e perder a alma, este pai e senhor meu me livrou melhor do que eu lhe saberia pedir. Não me recordo, até agora, de lhe haver suplicado nada que não tenha deixado de fazer.
É coisa que espanta (que maravilha) as grandes mercês que me tem feito Deus por meio deste bem-aventurado santo, dos perigos que me tem livrado, tanto de corpo quanto de alma. A outros santos parece
que o Senhor lhes deu graça para socorrer em uma necessidade; a este glorioso santo tenho experiência que socorre em todas e que quer o Senhor dar-nos a entender que assim como esteve submetido a ele na terra, que como tinha nome de pai - sendo custódio - podia mandar Nele, também no céu faz quanto lhe pedem. E isto o tem comprovado algumas pessoas, a quem eu dizia que se encomendassem a ele, também por experiência; e ainda há muitas que começaram a ter-lhe devoção havendo experimentando esta verdade.
Queria eu persuadir a todos para que fossem devotos deste glorioso santo, pela grande experiência que tenho dos bens que ele alcança de Deus. Não conheci pessoa que deveras lhe seja devota e faça particulares serviços, que não a vejamos mais adiantada nas virtudes porque muito aproveitam as almas que a ele se encomendam. Parece-me, já há alguns anos, que a cada ano, em seu dia, lhe peço uma coisa e sempre a vejo cumprida. Se o pedido segue meio torcido, ele o endereça para o meu bem.
Se fosse uma pessoa que tivesse autoridade no escrever, de bom grado me estenderia em dizer muito a miúdo as mercês que este glorioso santo tem feito a mim e a outras pessoas. Só peço, pelo amor de Deus, que o prove quem não me crê e verá por experiência o grande bem que é o encomendar-se a este glorioso Patriarca e ter-lhe devoção.
Pessoas de oração, em especial, sempre deveriam ser a ele afeiçoadas. Não sei como se pode pensar na Rainha dos Anjos, no tempo que passou com o Menino Jesus, e não se dar graças a São José pelo bem com o qual lhes ajudou. Quem não encontrar mestre que lhe ensine oração, tome este glorioso santo por mestre e não errará no caminho”.3
Invoquemos o nosso Anjo da Guarda para que nos ajude a honrar ao nosso grande Santo Protetor, que é também Príncipe dos Anjos e Arcanjos. São José fora constituído também, no Reino de Deus, o grande Príncipe, e lhe foram dadas as maiores e mais extraordinárias prerrogativas que o fizeram o Príncipe sem igual, acima de todos os súditos do Rei dos reis depois de Maria Santíssima, Rainha dos céus e da terra. E nesta singular e privilegiada missão, quem pode contentar a supremacia de José sobre todos os Anjos e coros angélicos?
___________________________________________________________
Referências bibliográficas
Santa Teresa de Jesus, Livro da Vida 6,6-8
São José, Mons. Ascânio Brandão
Bíblia Pe João de Matos
São José. O esposo de Maria, da qual nasceu jesus. Ed Petrus 1ª edição-2010

domingo, 27 de novembro de 2016

O Manual na Mão


Alexandre Martins, cm.


O Manual do Congregado é uma ferramenta muito útil para a devoção particular dos membros das Congregações Marianas e para o início da compreensão das características de um verdadeiro Congregado Mariano.
O primeiro Manual para uso dos Congregados foi feito na cidade de Colônia, Alemanha, no século XVII em uma Congregação Mariana de Sacerdotes. No Brasil, houveram várias versões a partir do século XX, mas cada Congregação Mariana tinha uma publicação particular. Com a publicação do Manual dos Congregados pela Federação de São Paulo, não tardou que a Confederação Nacional publicasse a versão oficial padronizada para todo o país:
O Congresso confere à CNCMB* o direito reservado da publicação do Manual oficial. Só a Federação de São Paulo, por ser muito numerosa e possuir há muito seu Manual, fica isenta desta disposição, com a obrigação de não a vender fora do estado.” - 1º Congresso Nacional de Diretores.1

Desde as primeiras versões brasileiras, o Manual dos Congregados consta de basicamente três partes: A Regra de Vida, o Modo de agir do Congregado e o Devocionário.

A Regra de Vida

“As Regras passavam da Capela para as casas, pois estabeleciam que nos aposentos dos Congregados deveria sempre haver água-benta ou alguma imagem piedosa, com a finalidade de 'refrescar a memória”. 2
Os primeiros manuais continham a Regra inteira, incluindo as citações das publicações dos decretos eclesiásticos que as legitimavam. No Manual de 1997 consta apenas um resumo da Regra de Vida, com suas partes principais. Seu estudo é útil para a compreensão do básico das Regras, sendo de grande valia para os Aspirantes a Congregado.

O Dia a dia do Congregado

“As Congregações Marianas existem para ensinar como harmonizar Fé e Virtudes Cristãs com as ocupações cotidianas.”3
Embora existissem edições do Manual do Congregado que davam detalhes do modo de vida de um autêntico Congregado, o que todas as publicações tem em comum é mostrar o que difere um membro das Congregações Marianas de outras associações de fiéis católicos. O que é mostrado serve desde já para orientar o “modus vivendi” de um devoto que deseja se consagrar à Virgem Maria nas suas Congregações.

O Devocionário

“De fato, não é singular irmos aprender nos livros o que devemos dizer a Deus? Se não for posível proceder de outro modo empreguemos este meio; antes nos servirmos de um livro, que orar mal ou deixar de fazê-lo.” diz o pe. Meschler, SJ4
A edição de 1981 do Manual tinha o título “Manual-Devocionário do Congregado Mariano”. E era isso mesmo: metade da edição era somente de orações e práticas de piedade.
O Devocionário é uma parte do Manual que contém várias orações que são úteis para o Congregado mariano em sua vida de piedade pessoal e também orações que são para uso coletivo, como a Hora Santa. Não se trata de orações especiais de uso privativo dos Congregados marianos, mas são orações que são especialmente úteis para eles. Neste devocionário, os Aspirantes e Candidatos podem entender como a oração é usada e apreciada nas Congregações Marianas e como isso o educa na Fé Católica.

Seu uso constante

O uso do Manual é necessário para o Congregado diariamente. Em especial para os que estão começando nas Congregações Marianas, como os Aspirantes e os Candidatos, que devem tê-lo sempre “à mão”, como significa a palavra “manual”, isto é, algo “sempre ao alcance das mãos”.
As Orações da Manhã, das Refeições, o Rosário diário, o Ofício da Imaculada, as Visitas ao Santíssimo Sacramento, as Orações da Noite e o Exame de Consciência: todos são bem aproveitados se feitos com a ajuda do Manual do Congregado.

Um engano comum

Há Congregações Marianas que somente permitem o uso do Manual do Congregado após a Consagração Perpétua. A justificativa é da parte do Rito de Admissão5 em que o Assistente dá o livro ao novo Congregado dizendo a admoestação. Mas nada há na Tradição ou nas Regras que indique ser o Manual apenas de uso dos Congregados e não dos demais membros da Congregação Mariana. Devemos entender essa parte do Rito como um simbolismo de atenção às Regras. No texto do Rito vemos a ressalva - “entregando, onde for costume” - indicando que nem sempre o Manual é entregue ao membro da associação quando somente ele se consagra.
Em nossa experiência, o uso do Manual desde o início da frequência à Congregação Mariana dá frutos bons e favorece o fervor e o entusiasmo pela associação.

Conclusão

Use, abuse, leia, marque, risque seu Manual de Congregado. Faça dele uma autêntica ferramenta pessoal de busca da santidade. Que este livrinho tenha a marca dos dedos de seu dono, que tenha os riscos de uso constante, mostrando que é muito usado e que, no fim, suas letras estejam gravadas na mente e no coração do Congregado que o possui.
Que a Virgem, que lia seu livro no momento da Anunciação, nos ajude a ter nosso Manual em nosso coração!

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

9 ideias para rezar o terço quando você está muito ocupado

Decidi que rezar o terço diariamente será uma prioridade na minha vida. Se você acha que não dispõe de 20 minutos para sentar e fazer orações a Maria, meditando sobre os mistérios da vida do seu Filho, nosso Senhor Jesus Cristo, eu encontrarei 20 minutos em sua ocupada agenda.

Leve em consideração que você não precisa rezar os 5 mistérios de forma contínua, pode dividi-los durante o dia; e não é preciso carregar um terço com você o tempo todo: para isso, você tem 10 dedos que poderão ajudá-lo.

A seguir, apresento 9 ocasiões perfeitamente apropriadas para que você reze o terço hoje, por mais ocupado que esteja o seu dia:

1. Enquanto você corre

Você costuma correr, fazer exercício físico? Então pode acompanhar sua atividade física rezando o terço, ao invés de só ouvir música. Na internet, é possível encontrar muitos podcasts e aplicativos que lhe permitem escutar e rezar enquanto você corre.

2. No carro

É impressionante como aprendi a rezar o terço enquanto vou de um lugar a outro, enquanto vou ao supermercado, ao posto de gasolina, levar meus filhos à escola ou rumo ao trabalho. Os trajetos de carro costumam durar mais que 20 minutos, então eu os aproveito ativamente. Uso um CD com o terço e o rezo enquanto ouço. Isso me faz sentir como se estivesse rezando em grupo.

3. Enquanto você limpa a casa

Reze enquanto você organiza sua mesa de trabalho, enquanto passa o aspirador na sua casa, lava louça ou realiza outros afazeres domésticos. Enquanto reza, pode interceder e abençoar, com sua oração, todos aqueles que se verão beneficiados pelos seus esforços por um lar mais limpo e organizado.

4. Enquanto você leva o cachorro para passear

Você leva o cachorro para passear diariamente? Aproveitar o tempo de passeio para rezar o terço é muito melhor que deixar sua mente vagando sem sentido. Mantenha-a centrada em Jesus e em Maria!

5. Depois do almoço

Tenha um momento de descanso diariamente após seu almoço e aproveite-o para silenciar seu interior e rezar o terço. Nos dias de sol, você pode fazer isso contemplando as maravilhas da natureza que Deus nos deu.

6. Caminhando em um passeio sozinho

Uma vez por semana, lembre-se de rezar o terço caminhando. Nesses momentos, vale a pena levar o terço e caminhar no ritmo da oração. Outras pessoas poderão ver você rezar, o que acaba sendo uma oportunidade de dar testemunho.

7. Antes de deitar para dormir

Este é um momento belíssimo para ter Jesus e Maria como últimos pensamentos em sua mente antes de dormir. O único risco é pegar no sono antes de terminar o terço inteiro. Concentre-se no amor que você tem a Nossa Senhora e a Jesus para manter-se acordado.

8. Na igreja

É muito poderoso rezar o terço na presença de Jesus sacramentado e junto a outras pessoas da sua paróquia. Tenha um encontro semanal com Jesus para visitá-lo no Santíssimo Sacramento e rezar o terço em adoração. Ou, se sua paróquia tem a prática do terço em grupo, una-se!

9. Enquanto você está esperando

Quantas vezes estamos esperando algo ou alguém ao longo do dia? Na fila do banco, do supermercado, no consultório médico, no ponto de ônibus... você pode rezar pelo menos uma dezena do terço cada vez que espera, e no final do dia terá rezado o terço inteiro.

domingo, 23 de outubro de 2016

A Devoção à Virgem na Congregação Mariana

tradução por Alexandre Martins, cm, do Original espanhol*

A devoção à Virgem na Congregação também envolve a imitação das suas virtudes em grau extremamente elevado. Ela é o Modelo e Mestra de santidade. Devemos copiar sua vida em todos os detalhes, refletir especialmente em nós sua pureza imaculada. Nesta escola de Maria é onde se aprende e se consegue a imitação de Jesus, a perfeição cristã.
Por isso o lema da Congregação: "A Jesus por Maria".
Em Maria devemos colocar toda a nossa confiança. "A Mãe de Deus é a minha mãe!" - disse s. Estanislau Kostka, o jovem Congregado mariano.
Incessantemente nos dirigimos a ela: através do Rosario (sem o qual não existe um Congregado); pelo Angelus, pelo uso da Medalha... É necessário, finalmente, nos encorajarmos uns aos outros para amar e servir com piedade filial, primeiramente entre nós mesmos. Com o exemplo e com palavras.
Devemos nos empenhar que a Virgem seja de todos conhecida e amada. Que todos experimentemr como é doce servi-La e quão é eficaz a sua proteção - nosso tesouro e seguro penhor da nossa salvação.
Mas, em última análise, a conclusão desta maneira prática e eficaz para viver na devoção Congregação à Santíssima Virgem, é a práticar a inteira, completa e perpétua Consagração à mesma Virgem Mãe, Lhe oferecendo em tributo a própria vida e prometendo-Lhe viver sempre entregue ao seu amor e serviço.
"A consagração à Mãe de Deus na Congregação Mariana é um dom total de si, para a vida e para a eternidade", diz o papa Pio XII, outro grande Congregado mariano.
Dar-se alguém a outro é entregar-se, dedicar-se de bom grado a satisfazer seus gostos e desejos. Não somente não fazer coisas que a desagradam, mas cumprir especialmente o que ela mais gosta. E o que mais gosta Maria? Não seria que seu Filho seja cada vez mais glorificado em intensidade (nossa própria santidade) e extensão (a salvação e santificação dos outros)?
Assim o papa Pio XII acrescentou: "Dom real, o que é verificado na intensidade da vida cristã e da vida apostólica."
O ato de consagração, não é um voto religioso ou apenas um juramento; não é uma simples cerimônia litúrgica ou uma promessa qualquer para agradar a Virgem; nem uma bela oração de "fórmula pura ou sentimental." É efetivamente uma doação baseada na palavra de honra pessoal dada livremente por quem deseja chegar a Jesus por intermédio de Maria, servindo-A, fazendo a Sua vontade, adaptando nossa vida com a vida e as virtudes dela.
Esta doação é universal, total: corpo e alma, coisas, bens e ocupações ... Todo eu, tudo o que faço, nunca poderia ser usado contra a aprovação Dela; seria como um sacrilégio; é Dela para Ela; e só se pode dedicar de acordo com os seus desejos, para a Sua glória e, consequentemente, do seu Filho divino.
Longe da ideia de uma rendição passiva e aniquiladora; se trata de uma entrega ativa e alegre, santificadora... Um sério compromisso de viver como coisa e posse de Maria.
Finalmente, é uma doação oficial e pública: "na Congregação", perante a Hierarquia, que recebe a Consagração e os companheiros Congregados já consagrados.
Não obriga sob o pecado, mas não seria embaraçoso para falar sobre pecado quando a medida é o amor e a generosidade?
Em vez disso, possui certos efeitos jurídicos perpétuos: a perseverança do Congregado o separa da multidão frívola e inconseqüente e o marca com um "caráter" espiritual, o "signum Mariae".
Com ele adquire uma forma de novo estado de vida que é uma nova maneira de ser e de agir, uma vez que nos faz "Ministros de Maria".
Ao se consagrar você dá inteiramente a Maria. Ah! Mas ela dá-lhe mais do que você pode esperar e imaginar. Em troca de sua fidelidade, que é o maior bem para você. Ela dá-lhe seu amor materno, sua protecção da Rainha, sua intercessão de Onipotência suplicante, a graça de seu Divino Filho que tudo pode e vale mais do que o mundo!

***




*- artigo do Congregado Alfonso de Jesus Marin Gonzalez, inspirado no documento "Princípios básicos para a formação da congregados" retirado do Boletim das Congregações Marianas de Madrid, março-abril de 1948.

domingo, 9 de outubro de 2016

As Congregações Marianas na China

Segue um artigo interessantíssimo publicado na Civiltà Cattolica, revista dos jesuítas supervisionada pela Secretaria de Estado da Santa Sé, sobre o modelo da Congregação Mariana aplicado à realidade chinesa,  de enorme escassez de sacerdotes, no século XVI. À época, mesmo tendo o auxílio dos sacerdotes uma vez ao ano, o cristianismo florescia e não se falava em relativizar o celibato sacerdotal.                         

 “O missionário aparecia uma ou duas vezes ao ano”, por Nicolas Standaert, SJ, da La Civiltà Cattolica n. 3989, de 10 de setembro de 2016

No século XVII, os cristãos chineses não estavam organizados em paróquias, ou seja, em unidades geográficas em torno do edifício de uma igreja, mas em “associações”, as quais eram dirigidas por leigos. Algumas destas eram uma mistura de associação chinesa e de congregação mariana, de inspiração europeia.

Parece que estas associações estavam mais difundidas. Por exemplo, por volta de 1665 havia cerca de 40 congregações em Xangai, ao passo que havia mais de 400 congregações de cristãos em toda a China, tanto nas grandes cidades como nas aldeias.

O estabelecimento do cristianismo a este nível local se fez na forma de “comunidades de rituais eficazes”, grupos de cristãos cuja vida se organizava em torno de determinados rituais (missa, festividades, confissões, etc.). Essas eram “eficazes”, porque construíam um grupo e porque eram consideradas pelos membros do grupo como capazes de proporcionar sentido e salvação.

Os rituais eficazes estavam estruturados em base ao calendário litúrgico cristão, que incluía não apenas as principais festas litúrgicas (Natal, Páscoa, Pentecostes, etc.), mas também as celebrações dos santos. A introdução do domingo e das festas cristãs fez com que as pessoas vivessem segundo um ritmo diferente do calendário litúrgico utilizado nas comunidades budistas ou taoístas. Os rituais mais evidentes eram os sacramentos, sobretudo a celebração da eucaristia e da confissão. Mas a oração comunitária – sobretudo a oração do terço e das ladainhas – e o jejum em determinados dias constituíam os momentos rituais mais importantes.

Essas comunidades cristãs revelam também algumas características essenciais da religiosidade chinesa: eram comunidades muito orientadas para a laicidade com dirigentes leigos; as mulheres tinham um papel importante como transmissoras de rituais e de tradições dentro da família; uma concepção do sacerdócio orientado para o serviço (presbíteros itinerantes, presentes apenas por ocasião das festas e de celebrações importantes); uma doutrina expressada de maneira simples (orações recitadas, princípios morais claros e simples); fé no poder transformador dos rituais.

Pouco a pouco, as comunidades chegaram a funcionar de maneira autônoma. Um presbítero itinerante (inicialmente eram estrangeiros, mas já no século XVIII eram, majoritariamente, sacerdotes chineses) costumava visitá-las uma ou duas vezes ao ano. Normalmente, os dirigentes das comunidades reuniam os diversos membros uma vez por semana e presidiam as orações, que a maior parte dos membros da comunidade conhecia de cor. Os dirigentes liam também os textos sagrados e organizavam a instrução religiosa. Muitas vezes havia reuniões exclusivas para mulheres. Além disso, havia catequistas itinerantes que instruíam as crianças, os catecúmenos e os neófitos. Na ausência de um presbítero, os dirigentes locais administravam o batismo.

Durante a visita anual, que durava alguns dias, o missionário conversava com os dirigentes e os fiéis, recebia informações sobre a comunidade, interessava-se pelos doentes e os catecúmenos, etc. Confessava, celebrava a eucaristia, pregava, batizava e rezava com a comunidade. Quando partia, a comunidade retomava a sua prática habitual de rezar o terço e as ladainhas.

Por conseguinte, o cristão comum via o missionário uma ou duas vezes por ano. O verdadeiro centro da vida cristã não era o missionário, mas a própria comunidade, com seus dirigentes e catequistas como vínculo principal.

Principalmente no século XVIII e começo de século XIX, estas comunidades se transformaram em pequenos, mas sólidos, centros de transmissão da fé e de prática cristã. Por causa da falta de missionários e de presbíteros, os membros da comunidade – por exemplo, os catequistas, as virgens e outros guias leigos – assumiam o controle de tudo, desde a administração financeira às práticas rituais, passando pela direção das orações cantadas e pela administração dos batismos.

sábado, 24 de setembro de 2016

A Confissão do Congregado

Alexandre Martins, cm.


A recepção dos Sacramentos pelos Congregados marianos não é diferente dos demais católicos, apenas deve o Congregado ser mais dedicado e fiel do que os demais. O que não é pouca coisa.
Em 1563 o jesuíta Pe. João Leunis reunia os melhores alunos do Colégio Romano da Companhia de Jesus para os exercícios de piedade na primeira Congregação Mariana. Desde 1541 existiam confrarias de leigos que continham em suas regras o dever de se reformar a si mesmo diariamente, dando bom exemplo e procurando a edificação do próximo, confessando e comungando cada 15 dias, visitando e servindo aos pobres nos hospitais e assistindo reuniões no colégio. Desde 1470, as Confrarias do Rosário criadas pelos dominicanos regulavam para seus membros a confissão semanal e comunhão mensal além dos dias de Festa litúrgicas da Virgem e de Jesus. Fomentava-se a oração, em especial o terço, e o mínimo de meditação diária, uso do cilício e até a flagelação em público ou em particular e a reunião semanal. Ao mesmo tempo, a vida pública dos membros era cuidadosamente regulada. Não era novidade para os Congregados marianos a rigidez de uma Regra, mas para eles se revestia de um caráter mais incisivo.
O Sacramento da Penitência - ou simplesmente, “a Confissão” - é um momento em que o Congregado mariano deve ver como uma nova oportunidade de emenda de vida e/ou de aprimoramento da vida em busca da santidade. E tem a sua própria História para dar testemunho. Como diz a Regra 21:
“É recomendável que cada Congregado Mariano tenha um confessor certo e "a ele manifeste, com toda sinceridade, o estado de sua consciência e por ele se deixe guiar e dirigir em tudo que respeita à vida espiritual", e se aproxime frequentemente da Confissão Sacramental e, ao menos uma vez ao ano, por ocasião do Retiro Espiritual, faça a Confissão Geral.” 1

A frequência à Confissão

Há sacerdotes que indicam a Confissão somente pela Páscoa, ou , quando muito, apenas uma vez ao mês. Mas isso não se aplica aos Congregados. Para um bom Congregado mariano a frequência deve ser semanal. E isso, claro, se não há consciência de pecado mortal. Neste caso, deve-se procurar o sacerdote o quanto antes. Não se trata de - como dizem alguns, com suposto zelo - “tratar o sacramento como lata de lixo” ou de usar do sacramento coo algo sem critério. O congregado vê nessa procura frequente uma forma de ficar o menor tempo possível em pecado mortal.
Como nos lembra o pe. Américo Maia, SJ:
“A imaginação, potência errante (vagabunda), por excelência, deve ser dominada. Importância considerável é a gravidade incalculável de um ato como a confissão. Ser Congregado é saber confessar-se. Da imaginação dominada ao espírito de análise aplicado ao conhecimento de si mesmo, é uma linha diretriz que quer fazer do devoto "um homem interior". Num processo de transformação que modifica o homem radicalmente, o corpo tem seu lugar: atos de penitência e mortificação física, procissões e a romaria, em especial. Pureza pessoal em relação aos outros e nos outros. 'O mal que ameaça a Cidade de Deus, após o pecado original, é a sexualidade compreendida como o sinal da presença demoníaca no homem. A alma pertence a Deus mas o corpo ao demônio. Então, a vida cristã reduz-se a uma única palavra de ordem: a fuga do pecado e uma guarda feroz da castidade. "2

Sabe ele que o pecado mortal tem esse nome porque mata a vida da Graça em nossa alma. Não é à toa que a cor dos paramentos no Sacramento da Penitência é a mesma que nas Exéquias... O Congregado, portanto, não deseja andar pelo mundo como um morto, como um zumbi. Um verdadeiro filho de Maria não pode dar desgosto a sua amantíssima Mãe.
O critério para essa frequência à Penitência se dá pela ação do Exame de Consciência diário. É nesse momento que as faltas pessoais se tornam relevantes e os pecados mortais aparecem como caroços indigestos num mingau. Se vê então a necessidade de Confissão sacramental.

Os tipos de padre

A busca de um sacerdote piedoso pode ser difícil em alguns lugares, por vários motivos. Mas deve-se sempre compreender os três tipos básicos de sacerdotes para confissão:

a) O sacerdote que atende uma confissão apenas pelo fato de ser sacerdote. Neste caso, qualquer um pode ser procurado pelo Congregado, em qualquer, lugar, a qualquer hora.
b) O sacerdote que é o confessor do Congregado. É aquele escolhido pelo Congregado para receber sua Confissão frequente. Essa escolha se dá por uma certa afinidade ou compreensão entre ambos. As Regras da Congregação indicam um “confessor fixo”: é este o caso.
      1. O Diretor Espiritual. Não se engane: o Diretor Espiritual é um sacerdote com vocação específica para isso. E nem todos a possuem. Devemos pedir a Deus que nos coloque no caminho um sacerdote “douto e santo” - como s. Teresa D'Ávila indicou como características de um real Diretor espiritual.

Como confessar

Conseguido o sacerdote, deve o Congregado, lembrando a citada Regra 21, se confessar “como Congregado”. Algumas atitudes são uteis para demonstrar ao sacerdote, caso esta não nos conheça, com quem está lidando, para que a Confissão possa ter mais fruto. Muitos sacerdotes nada sabem da existência dos Congregados e muitos não acreditam que sejamos diferentes dos demais devotos marianos. Lembre-se que um Congregado mariano é o católico que sabe como se confessar.
Primeiramente, avise que é um Congregado mariano e frequenta assiduamente as reuniões da Congregação: Logo, ao se apresentar ao confessor, diga-lhe: "Abençoa-me ó padre, porque pequei". O sacerdote lhe responde: "O Senhor esteja no seu coração e nos seus lábios para que possa confessar os seus pecados" Logo depois dirás: "Faz ... (semanas, meses, anos) que não me confesso". Alguns acrescentam (e é um excelente hábito) a qual associação pertencem: "Faço parte da Renovação Carismática, pertenço ao Movimento dos Focolares, aos Catecúmenos, sou escoteiro, pertenço à Congregação Mariana, à Irmandade do Sagrado Coração de Jesus...". Agora acuse todos os seus pecados, sem precipitação, sem medo, de maneira que se faça entender. É inútil enganar o sacerdote: não se pode enganar a Deus. 3
Segundo, confesse seus pecados dos mais graves aos menores, usando a lista mental que foi descoberta em seu Exame de Consciência.
Terceiro, acuse também alguma falta do caráter pessoal ou de temperamento.
Escute com atenção as admoestações do sacerdote e cumpra o mais rápido possível a Penitência dada. Para um soldado, ordem dada é ordem cumprida. Para um Congregado, soldado de Maria, a penitência deve ser cumprida ainda com amor e disposição. Lembre-se que “arrepender-se é próprio dos santos”.4

Frequência dos santos

Na História da Congregações marianas existem vários relatos da Confissão frequente. São esses fatos, vividos por santos Congregados, que devemos imitar e com os quais refutaremos as criticas daqueles que nos criticam por nos confessarmos “a toda hora”, de sermos “Puritanos”, de “abusar do Sacramento”, etc.
São Luiz de Gonzaga, padroeiro da Juventude, Congregado mariano em Reims, confessava-se todos os dias antes da Missa e Comunhão diárias.
São Vicente de Paula, Congregado na Itália, confessava-se duas vezes por semana.
São Felipe Néri, Congregado italiano, confessava-se um dia sim e outro não, e o mesmo queria que fizessem os seus religiosos.
Os Congregados marianos S. Vicente Ferrer, S. Carlos Borromeu, S. André Avelino e muitos outros se confessavam diariamente.
São Leonardo de Porto Maurício, o infatigável apóstolo italiano e fundador de várias Congregações Marianas, depois de ter tido o belo hábito de se confessar diariamente com constância, chegando aos quarenta e dois anos, pensou em duplicar a dose e escreveu no seu regulamento particular: "De agora em diante confessar-me-ei duas vezes por dia, para aumentar a graça que espero tornar maior com uma única confissão do que com muitas boas obras, de qualquer espécie".

Conclusão

A vida sacramental é uma das bases do bom Congregado mariano. E é essa frequência piedosa a eles que deram exemplo a outros católicos, influenciando positivamente a vida da Igreja. Se quisermos reformas no laicato e, até mesmo, no Clero, esse é o caminho mais eficaz.
Como nos ensina s. Teresa de Calcutá, Congregada mariana missionária:
A confissão é um ato magnífico, um ato de grande amor. Só aí podemos entregar-nos enquanto pecadores, portadores de pecado, e só da confissão podemos sair como pecadores perdoados, sem pecado. A confissão nunca é mais do que humildade em ação. Dantes chamávamos-lhe penitência mas trata-se na verdade de um sacramento de amor, do sacramento do perdão. Quando se abre uma brecha entre mim e Cristo, quando o meu amor faz uma fissura, qualquer coisa pode vir preencher essa falha. A confissão é esse momento em que eu permito a Cristo suprimir de mim tudo o que divide, tudo o que destrói. A realidade dos meus pecados deve vir primeiro. Quase todos nós corremos o perigo de nos esquecermos de que somos pecadores e de que nos devemos apresentar à confissão como tais. Devemos dirigir-nos a Deus para Lhe dizer quão pesarosos estamos de tudo o que possamos ter feito que O tenha magoado. O confessionário não é um local para conversas banais ou para tagarelices. Aí preside um único tema – os meus pecados, o meu arrependimento, como vencer as minhas tentações, como praticar a virtude, como crescer no amor a Deus.”5

Nossa Senhora dos Penitentes, rogai por nós!
 


***

_______________________________________________
1- veja também as Regras Comuns das Congregações Marianas 36, 37 e 39.
2- Reyn., Geneviève. "Convents de Femmes (La Vie des Religieuses Cloitrées dans la Fran. das XVII et XVIII siécles). Fayard, Paris, 1987, pág. 125. citado por pe. Pedro Américo Maia, SJ, in “História das congregações Marianas no Brasil”, Edições Loyola, São Paulo , SP, 1992.
3- pe. Eugenio Maria Pirovano,FDJ in “Exame de Consciência: Preparação para o Sacramento da Penitência”, Ed. Loyola, 5ª edição, 2005, pág 11
4- “Pecar é comum a todos os homens, mas arrepender-se é próprio dos Santos”. s. Ambrósio de Milão in “Apologia David ad Theodosium Augustum”, II 5-6

5- in "Não há maior amor" (a partir da trad. de Il n'y a pas de plus grand amour, Lattès 1997, pág. 116)